Monday, September 26, 2011

Pedro Salinas


LA VOZ A TI DEBIDA

Pedro Salinas

La forma de querer tú
es dejarme que te quiera.
El sí con que te me rindes
es el silencio. Tus besos
son ofrecerme los labios
para que los bese yo.
Jamás palabras, abrazos,
me dirán que tú existías,
que me quisiste: jamás.
Me lo dicen hojas blancas,
mapas, augurios, teléfonos;
tú, no.
Y estoy abrazado a ti
sin preguntarte, de miedo
a que no sea verdad
que tú vives y me quieres.
Y estoy abrazado a ti
sin mirar y sin tocarte.
No vaya a ser que descubra
con preguntas, con caricias,
esa soledad inmensa
de quererte sólo yo.

A voz a ti devida

Tua forma de querer
é deixar-me que te queiras.
E assim que tu me rendes
com o silêncio. Teus beijos
são oferecerem-se aos lábios
para que os beije eu.
Jamais palavras, abraços,
me dirão que tu existias,
que me quisestes, jamais.
Me dizem as folhas brancas
mapas, augúrios, telefones;
tu, não.
E eu estou abraçado a ti
sem te perguntar, de medo,
que isto não seja verdade
que tu vives e me queres.
E estou abraçado a ti
sem olhar e sem tocar-te.
Não pode ser que descubra
com perguntas, com carícias,
esta solidão imensa
de querer-te somente eu.

Ilustração: http://navegandonotempo.blogspot.com/2005/08/os-namorados.html

2 comments:

ju.salvadori said...

Poema maravilhoso. Eu o havia lido há muito tempo e, buscando-o, cheguei aqui. Obrigada pelo presente.

Marcia Regina said...

Olá,

Amo esse poema, mas sempre li com uma ideia de tradução diferente para a primeira frase.

"La forma de querer tú
es dejarme que te quiera."

me soa mais como

"Tua forma de querer
É deixar que eu te queira"