Tuesday, February 26, 2013

Zóe Valdés




BREVE  BESO  DE  LA   ESPERA
 
Zóe Valdés

Su nombre ya no me es más familiar
El camino ya no es aquel
El de la ausencia
La muerte perdió su sutilidad
de virgen serena
Me arrancó de un piñazo
el vendaje de los ojos
Mis pestañas abiertas
al recuerdo del exquisito
Esclava de un agujero de eternidad.

Breve beijo de espera

Seu nome já não me é mais familiar
O caminho já não é mais aquele
é de ausência
a morte perdeu sua sutileza
de virgem serena
Me arrancou de uma vez
a vendagem dos olhos.
Minhas pestanas abertas
para lembrar o requintado
escravo de um buraco da eternidade.

Luis Antonio de Villena




MA  BOHEME

Luis Antonio de Villena

También yo quise tener  a Rimbaud entre mis brazos.
Caricia y turbulencia, verso y lunas, tenaz contra la vida...
Por ello aún, probablemente, recorro los tugurios y baretos de noche
donde se pasa costo y se venden carnales mercancías.

Las gentes de bien me hicieron tanto daño, Arthur,
que a pesar de mi aire aparente, hermanito, somos uno:
Lo que tantos sinvergüenzas llaman mal –sin mirarse–
suele ser lenitivo, barrio, piel de la juventud y margen siempre.

Metido en los tugurios noche anoche, haciendo mostrador
y golferío, busco la salvaje pureza de Rimbaud en mis  brazos,
su lujuria nunca etiquetada, su rabia, sus fulgores insólitos.

Pero la noche ama a sus hijos, y son dulces los búhos
desterrados: Hablar de muerte es hablar de otra vida.
La soledad es mi Rimbaud. Y el cuerpo grato que cobra su caricia...
 
Minha boêmia

Também eu quis ter a Rimbaud entre meus braços.
Carícia e turbulência, verso e luas, tenaz contra a vida ...
Por ele ainda, provavelmente, recorro aos tugúrios e barzinhos da noite
onde se passa a custo e se vende as carnais mercadorias.

As pessoas de bem me fizeram tanto dano, Arthur,
que, apesar de meu ar aparente, irmãozinho, somos um:
O que tantos semvergonhas chamam mal- sem se olhar-
sói ser lenitivo, bairro, pele da juventude e margem sempre.

Metido nos tugúrios noite a noite, fazendo mesa
e malandragem busco a selvagem pureza de Rimbaud em meus braços,
sua luxúria nunca etiquetada , a ira, seus brilhos insólitos.   

Porém, a noite ama seus filhos, e são doces as corujas
desterradas: falar de morte é falar de outra vida.
A solidão é minha Rimbaud. E o corpo grato que cobra sua carícia  ...

Salvador Novo




Junto a tu cuerpo

Salvador Novo

Junto a tu cuerpo totalmente entregado al mío
junto a tus hombros tersos de que nacen las rutas de tu abrazo,
de que nacen tu voz y tus miradas, claras y remotas,
sentí de pronto el infinito vacío de su ausencia.
Si todos estos años que me falta
como una planta trepadora que se coge del viento
he sentido que llega o que regresa en cada contacto
y ávidamente rasgo todos los días un mensaje que nada contiene sino una fecha
y su nombre se agranda y vibra cada vez más profundamente
porque su voz no era más que para mi oído,
porque cegó mis ojos cuando apartó los suyos
y mi alma es como un gran templo deshabitado.
Pero este cuerpo tuyo es un dios extraño
forjado en mis recuerdos, reflejo de mí mismo,
suave de mi tersura, grande por mis deseos,
máscara
estatua que he erigido a su memoria.

Junto a teu corpo

Junto a  teu corpo completamente entregue ao meu
junto a teus ombros suaves que nascem as rota do teu abraço,
de que nascem tua voz e teus olhares, claro e remotos,
senti de imediato o infinito vazio de sua ausência.
Se todos esses anos que me falta
como uma planta trepadeira que colhe ao vento
Eu senti que chega ou regressa em cada contato
e avidamente rasgo todos os dias uma mensagem que nada senão uma data
e o seu nome fica se agiganta e vibra mais profundamente
porque tua voz não era mais para o meu ouvido,
porque estão cegos meus olhos quando se afastam dos seus
e minha alma é como um grande templo desabitado.
Mas este corpo teu é um deus estranho
forjado em minha memória, reflexo de mim mesmo,
suave na minha lisura, ótimo para os meus desejos,
máscara
estátua que erigi à sua memória.



Eu não sou Lavoisier



Não, meu bem,
eu não sou Lavoisier,
mas, também sei que nada há de se perder.
Tanto carinho entre nós existe
não deixe que o tempo, ou a distância,
te deixe triste
que tudo tem suas compensações
e todo amor só resiste
se cultiva as ilusões.
Bem, se precisar, serei mágico
para te iludir
e, se não der certo,
sou um maluco esperto,
viro palhaço para te ver sorrir!
Não, eu não sou Lavoisier
nem sei de qualquer tipo de lei,
mas, tanto amor
não pode se perder.

Ilustração: www.grandesmensagens.com.br

Sunday, February 24, 2013

Angel Cruchaga




Amada mia

Angel Cruchaga

Amada mía, amada en tiempos del primer arco iris
o allá en la creación junto a las primeras alas.
Desde la sangre de mi madre hacia ti vuelvo mi rostro.
Las abejas de mis almendros vuelan en torno de tus ojos.
Mi corazón, saeta gastada de noche en el cielo
atraviesa la paloma del día para borrarse en tu voz.
Alargas en tus ojos los hondos paralelos
mientras la mañana se eleva de tus brazos.
Te llevaré en la ola de mis venas
así como el cielo lleva su largo temblor de pájaros.
La tierra gira, mi amiga, en un rincón de tus ojos.
El viento distancia estrellas detrás de tu cabellera.

Amada minha

Amada minha, nos tempos do primeiro arco-íris
ou além na criação junto as primeiras asas.
Desde o sangue da minha mãe até ti volto meu rosto.
As abelhas de minhas amêndoas voam em volta de teus olhos.
Meu coração, parafuso desgastado de noite no céu
atravessa as asas do dia para desvanecer-se na tua voz.
Alargas em teus olhos o lado profundo
enquanto
a manhã se eleva teus braços.
Te levarei nas ondas de minhas veias
assim como o céu leva pelo tempo o largo tremor de aves.
A terra gira, minha amiga, num canto de teus olhos.
O vento vai afastando estrelas por trás de teus cabelos.

Ilustração:  injusticanao.blogspot.com

De volta Gabriel Zaid




La ofrenda

Gabriel Zaid

Mi amada es una tierra agradecida.
Jamás se pierde lo que en ella se siembra.
Toda fe puesta en ella fructifica.
Aun la menor palabra en ella da su fruto.
Todo en ella se cumple, todo llega al verano.
Cargada está de dádivas, pródiga y en sazón.
En sus labios la gracia se siente agradecida.
En sus ojos, su pecho, sus actos, su silencio.
Le he dado lo que es suyo, por eso me lo entrega.
Es el altar, la diosa y el cuerpo de la ofrenda.


A oferenda

Minha amada é uma terra agradecida.
Jamais se perde o que nela se semeia.
Toda fé posta nela frutifica.
Ainda que a menor palavra nela dá seu fruto.
Tudo nela se cumpre, tudo chega ao verão.
Carregada está de dádivas, pródiga e de tempero.
Nos seus lábios a graça se sente agradecida.
Nos seus olhos, seu peito, seus atos, seu silêncio.
Lhe dou o que é dela, por isso ela me entrega.
És o altar, a deusa e o corpo da oferenda. 

Gabriel Zaid




Claridad furiosa

Gabriel Zaid

No aceptamos lo dado, de ahí la fantasía.
Sol de mis ojos: eternidad aparte, pero mía.

Pero se da el presente aunque no estés presente.
Luz a veces a cántaros, pan de cada día.
Se dan tus pensamientos, tuyos como estos pájaros.
Se da tu soledad, tuya como tu sombra,
negra luz fulminante, bofetada del día.

Furiosa claridade

Nós não aceitamos o que é dado, daí, a fantasia.
Sol de meus olhos: eternidade à parte, porém, minha.

Porém, sempre presente ainda que não esteja presente.
Luz, às vezes, em correntes, pão de cada dia.
Se dão teus pensamentos, teus como estes pássaros.
Se dá a tua solidão, tua como  tua sombra
negra luz fulminante, bofetada do dia.

Ainda Roberto Juarroz




Poesía vertical  22


Roberto Juarroz

Inventar el regreso del mundo
después de su desaparición.
E inventar un regreso a ese mundo
desde nuestra desaparición.
Y reunir las dos memorias,
para juntar todos los detalles.

Hay que ponerle pruebas al infinito,
para ver si resiste.



Poesia vertical 22

Inventar o regresso do mundo
Depois que desaparecer.
E inventar um regresso a este mundo
depois de nosso desaparecimento.
E reunir as duas memórias,
para juntar todos os detalhes.

Há que se criar provas ao infinito,
para ver se resiste.

Ilustração: mead.com

Tuesday, February 19, 2013

Roberto Juarroz




Cada uno tiene su pedazo de tiempo...

Roberto Juarroz

Cada uno tiene
su pedazo de tiempo
y su pedazo de espacio,
su fragmento de vida
y su fragmento de muerte.

Pero a veces los pedazos se cambian
y alguien vive con la vida de otro
o alguien muere con la muerte de otro.

Casi nadie está hecho
tan sólo con lo propio.
Pero hay muchos que son
nada más que un error:
están hechos con los trozos
totalmente cambiados.

Cada um tem o seu pedaço de tempo ...

Cada um tem
o seu pedaço de tempo
e seu pedaço de espaço, 
seu
fragmento de vida
e seu fragmento de morte.

Porém, às vezes, as peças são alteradas
e alguém vive com a vida de outro
ou alguém morre com a morte de outro.

Quase ninguém está feito
tão só consigo próprio.
Porém, há muitos que são
nada mais do que um erro:
estão feitos com as
peças
totalmente trocadas.

Monday, February 18, 2013

Fina García Marruz




LOS EXTRAÑOS RETRATOS

Fina García Marruz

Ahora que estamos solos,
infancia mía,
hablemos,
olvidando un momento
los extraños retratos
que nos hicieron.

Que esta solitaria noche mía
no ha tenido la gracia
del comienzo,
y entré en la danza oscura de mi estirpe
como un joven tristísimo
en un lienzo.

Mi imagen sucesiva no me habita
sino como un oscuro
remordimiento,
sin poder distinguir siguiera
qué de mi pan o de mi vino
invento.

En el oscuro cuarto en que levanto
la mano con un gesto
polvoriento,
donde no pudo entrar, allí me miras
con tu traje y tu terco
fundamento,
y no sé si me llamas o qué quieres
en este mutuo, extraño
desencuentro.

Y a veces me parece que me pides
para que yo te saque
del silencio,
me buscas en los árboles de oro
y en el perdido parque
del recuerdo,
y a veces me parece que te busco
a tu tranquila fuerza
y tu sombrero,
para que tú me enseñes el camino
de mi perdido nombre
verdadero.

De tu estrella distante, aparecida,
no quiero más la luz tan triste
sino el Cuerpo.

Ahora en mi. Encuéntrame.
y que tu pan sea el día
nuestro.

Os estranhos retratos

Agora estamos sozinhos,
infância minha,
conversemos,
esquecendo por um momento
os estranhos retratos
que nos fizeram.

Que esta noite solitária minha
não teve a graça
do início,
e no escuro da minha linha dança
como um jovem triste
numa tela.

Minha imagem sucessiva não me habita
senão como um obscuro
remorso,
incapaz de distinguir mais
o que do meu pão ou do meu vinho
invento.

No escuro quarto, onde levanto
a mão com um gesto
poeirento
onde não pude entrar, ali me olhas
com tua roupa e teu teimoso
fundamento,
E não sei se me chamas ou me queres
neste estranho e mútuo
desencontro.

E às vezes me parece que me pedes
para que eu te retire
do silêncio,
me buscas em árvores de ouro
e no perdido parque
das memórias,
e, às vezes, me parece que te busco
a tua força tranquila
e a teu chapéu,
para que me ensines o caminho
de meu nome verdadeiro

perdido.

De tua estrela distante, aparecida,
não quero mais a luz tão triste,
mas, o corpo.

Agora, em mim. Encontra-me.
e que o teu pão seja o nosso
dia.

Ilustração:  Tatiana Parcero (México – Argentina)-Extraido do http://www.guiaphotos.com.br/

Sunday, February 17, 2013

Calzadilla de volta




Las puertas del espacio

Juan Calzadilla

No escribo sobre aquello que pasa por mi cabeza.
Más bien escribo sobre aquello por lo que mi cabeza pasa.
Vivo solo, encerrado en mi cuerpo.
Yo soy mi universo y mi solo firmamento.
A veces desde afuera una corriente de aire entra
cuando se abre la puerta y un montón de cosas viene
a instalarse en mi mesa.
¡Cuánto desearía yo que como la puerta
mi cabeza pudiera abrirse siempre!
Pero, ay, esto ocurre sólo algunas veces.

As portas do espaço

Não escrevo sobre aquilo que passa por minha cabeça.
Mas, bem escrevo sobre aquilo que por minha cabeça passa.
Vivo só, encerrado no meu corpo.
E sou meu universo e meu único firmamento.
Às vezes, lá de fora entra uma corrente de ar
quando se abre a porta e um monte de coisas vem
a instalar-se na minha mesa.
Quanto desejaria eu que como a porta
minha cabeça abrisse sempre!
Porém, aí, isto ocorre somente algumas vezes. 

Ilustração: ajaneladejoana.blogspot.com

Juan Calzadilla




¿Por qué abandoné la poesía?

Juan Calzadilla

Según el gran poeta T.S. Eliot, las cualidades que
distinguen a un gran poeta son la excelencia,
la abundancia y la diversidad. Me explico:
Diversidad de razones para desconfiar
de la poesía. Abundancia de argumentos
para abandonarla.
Excelencia de los méritos que hubiera yo hecho
si hubiese advertido a tiempo
Que perdí mi vida dedicándosela a ella.


Por que abandonei a poesia?

Segundo o grande poeta T.S. Eliot, as qualidades que
distinguem um grande poeta são a excelencia,
a abundância e a diversidade. Me explico:
diversidade de razões para desconfiar
da poesia. Abundância de argumentos
para anbandoná-la.
Excelencia dos méritos que teris eu feito
se tivesse sido advertido a tempo
para não perder minha vida dedicando-me a ela.

Ilustração: http://dalastella.blogspot.com.br/

Friday, February 15, 2013

Henri Michaux



MA VIE                                                                                       

Henri Michaux

Tu t'en vas sans moi, ma vie.
Tu roules.
Et moi j'attends encore de faire un pas.
Tu portes ailleurs la bataille.
Tu me désertes ainsi.
Je ne t'ai jamais suivie.
Je ne vois pas clair dans tes offres.
Le petit peu que je veux, jamais tu ne l'apportes.
A cause de ce manque, j'aspire à tant.
A tant de choses, à presque l'infini...
A cause de ce peu qui manque, que jamais tu n'apportes.

Minha vida

Tu te vais embora, minha vida.
Tu segues em frente.
E eu ainda hesito em te seguir.
Tu foges para longe da batalha.
Tu me desertas assim.
Não são claras tuas ofertas.
E tão pouco peço e nunca me traz.
Por causa desta falta que aspiro mais.
Tantas coisas, quase o infinito...
Por conta deste pouco que falta que tu nunca me traz.

Ilustração:  anapaisoliveira.blogspot.com - O melhor do camiinho foi o tempo que passou lento.

Jorge Luís Borges




LO PERDIDO

Jorge Luís Borges

?Dónde estará mi vida, la que pudo
haber sido y no fue, la venturosa
o la de triste horror, esa outra cosa
que pudo ser la espada o el escudo
y que no fue? ?Donde estará el perdido
antepasado persa o el noruego,
dónde el azar de no quedarme ciego,
dónde el ancla y el mar, dónde el olvido
de ser quien soy? ? Dónde estará la pura
noche que al rudo labrador confia
el iletrado y laborioso día,
según lo quiere la literatura?
Pienso también en esa compañera
Que me esperaba, y que tal vez me espera.

O PERDIDO

Onde estará minha vida, sobretudo,
o que podia ter sido e não fui, a venturosa,
ou a de triste horror, essa outra coisa
que pode ser a espada ou o escudo
e que não foi? Onde estará o perdido
norueguês ou persa antepassado,
onde o azar de não me ter cegado,
onde a âncora e o mar, onde o olvido
de ser quem sou? Onde estará a pura
noite que ao rude lavrador confia
o iletrado e laborioso dia
Segundo o quer a literatura?
Penso também nessa a companheira
que me esperava e que, talvez, me espera.
Ilustração:  http://www.artefantastica.com/galeria/ - Tela CheiaSérie: Desencontro, "O olhar para o infinito" (2012) - Nanquim sobre papel. De Cybelle Ramalho. 

  Tela Cheia

Wednesday, February 13, 2013

Luis Alberto de Cuenca




El fantasma

Luis Alberto de Cuenca

Cómeme y, con mi cuerpo en tu boca,
hazte mucho más grande
o infinitamente más pequeña.
Envuélveme en tu pecho.
Bésame.
Pero nunca me digas la verdad.
Nunca me digas: «Estoy muerta.
no abrazas más que un sueño»

O fantasma

Coma-me e, com o meu corpo em tua boca,
te faz  muito maior
ou infinitamente menor.
Envolva-me em teu peito.
Beija-me.
Porém, nunca me digas a verdade.
Nunca digas: "Estou morto.
Não abraças nada mais que um sonho”. 

Ilustração:  animespirit.com.br

Tuesday, February 12, 2013

Ainda Alex Pausides




Imitación de Li Moi

Alex Pausides

Gasté mis palabras en el encantamiento ante las cosas
Pasto soy del suave animal de la melancolía
No poseo más capital que mi silencio
He pasado la noche en medio de un paisaje ciertamente extraño
Mis párpados no podrán vivir tanto tiempo sin luz

Imitação de Li Moi

Gastei minhas palavras no encantamento ante as coisas
Pasto sou do suave animal da melancolia
Não possuo mais capital que meu silêncio.
Passei a noite no meio de uma paisagem certamente estranha
Minhas pálpebras não poderão viver tanto tempo sem luz.

Ilustração:  sodevaneios.blogspot.com

Monday, February 11, 2013

Receita perfeita



Se Jade diz, e fotografa,  
Quem sou, pobre poeta,
Para discutir com a imagem
Que, ainda, é melhor real?
Esta Jade é feiticeira
Sabe tudo combinar.
Combinou cerveja e mar
Para ficar mais perfeita
Depois de olhar aproveita
Bebe, mergulha e vai amar! 

Ilustração: http://mundoporjade.blogspot.com.br/

Sunday, February 10, 2013

Alex Pausides




Discurso del farero

Alex Pausides

En medio de la noche paso mis horas
Sólo el ruido de las aguas me acompaña
Pero nunca sentí miedo ante la monotonía de los astros
ni de los grandes insectos que chocan con la luz
Mi trabajo es sencillo como una rueda
Mi oficio, señalar la rompiente, indicar el peligro
Pero no me pidan que cambie el curso de las aguas
Conjuro los naufragios siempre que el navegante
divise en la tiniebla mi señal solitaria
La soledad de la torre es implacable
El jarabe del mar en los días limpios
es fiesta para el ojo y mi única fortuna
Mientras la oscuridad alista su embestida
contemplo con fruición el esplendor del horizonte

Discurso do faroleiro

No meio da noite passo as minhas horas
Só o ruido das águas me acompanha
Porém nunca senti medo na monotonia das estrelas
nem dos grandes insetos que se chocam com a luz
Meu trabalho é simples como uma roda
Meu ofício, o ponto de ruptura, é indicar o perigo
Porém, não me peçam para mudar o curso das águas
Conjuro os naufrágios sempre que o navegador
divise na escuridão o meu sinal solitário
A solidão da torre é implacável
O balanço do mar nos dias limpos
é festa para os olhos e minha única fortuna
Enquanto a escuridão prepara sua investida
contemplar com sabor o esplendor do horizonte

Friday, February 08, 2013

Raúl Gómez Jattin




Los poetas, hombres horribles

Raúl Gómez Jattin 

Los poetas -Amor mí son
unos hombres horribles unos

monstruos de soledad-evítalos
siempre-comenzando por mí.
Los poetas -Amor mi- son
para leerlos. Mas no hagas caso
a lo que hagan en sus vidas.

Os poetas são homens horríveis

Os poetas- amor meu-são
uns homens horríveis, uns

monstros de solidão-evitá-os
sempre-começando por mim.
Os poetas-amor meu-são
para lê-los. Mas, não ligues
para o que façam em suas vidas. 

Ilustração:  http://soniacorrea.blogspot.com.br

Traição se paga com traição






The Tree and the Sky



By Tomas Tranströmer
Translated by Robin Fulton

There’s a tree walking around in the rain,
it rushes past us in the pouring grey.
It has an errand. It gathers life
out of the rain like a blackbird in an orchard.

When the rain stops so does the tree.
There it is, quiet on clear nights
waiting as we do for the moment
when the snowflakes blossom in space.

A árvore e o céu

Há uma árvore percorrendo a chuva
que corre atrás de nós no cinzento que se derrama.
Ele tem uma missão. Reúne a vida
indiferente à chuva como um melro no jardim.

Quando a chuva pára assim faz a árvore.
Lá está, quieto nas noites claras
esperando como nós pelo momento
quando os flocos de neve floresceram no espaço.

Thursday, February 07, 2013

Lope de Vega




Un soneto me manda hacer Violante

Lope de Vega

Un soneto me manda hacer Violante
que en mi vida me he visto en tanto aprieto;
catorce versos dicen que es soneto;
burla burlando van los tres delante.

Yo pensé que no hallara consonante,
y estoy a la mitad de otro cuarteto;
mas si me veo en el primer terceto,
no hay cosa en los cuartetos que me espante.

Por el primer terceto voy entrando,
y parece que entré con pie derecho,
pues fin con este verso le voy dando.

Ya estoy en el segundo, y aun sospecho
que voy los trece versos acabando;
contad si son catorce, y está hecho.

Um soneto me manda fazer Violante

Um soneto me manda fazer Violante
na minha vida não me vi em tanto aperto;
quatorze versos dizem que é soneto;
zombar zombando vão os três adiante.

Eu pensei que não faria consoante
e estou na metade de outro quarteto;
mas, se me  vejo no primeiro terceto,
não há coisa nos quartetos que me espante.

Pelo primeiro terceto vou entrando,
e parece que entrei com o pé direito,
pois, o fim com este verso, lhe vou dando.

Já estou no segundo, e não suspeito
que  vou os treze versos acabando;
contando sim são catorze, e  está feito.