Thursday, May 17, 2018

E, de volta, o grande José Afustin Goytisolo














A VECES                                                      

José Agustín Goytisolo

A veces
alguien te sonríe tímidamente en un supermercado
alguien te da un pañuelo
alguien te pregunta con pasión qué día es
hoy en la sala de espera del dentista
alguien mira a tu amante o a tu hombre con
envidia
alguien oye tu nombre y se pone a llorar.

A veces
encuentras en las páginas de un libro una
vieja foto de la persona que amas
y eso te da un tremendo escalofrío
vuelas sobre el Atlántico a más de mil kilómetros por hora y piensas en sus
ojos y en su pelo
estás en una celda mal iluminada y te acuerdas de un día luminoso
tocas un pie y te enervas como una quinceañera
regalas un sombrero y empiezas a dar gritos.

A veces
una muchacha canta y estás triste y la quieres
un ingeniero agrónomo te saca de quicio
una sirena te hace pensar en un bombero o
en un equilibrista
una muñeca rusa te incita a levantarle las
falda a tu prima
un viejo pantalón te hace desear con furia
y con dulzura a tu marido.

A veces
explican por la radio una historia ridícula
y recuerdas a un hombre que se llama
Leopoldo
disparan contra ti sin acertar y huyes penen tu mujer y en tu hija
ordenan que hagáis esto o aquello y enseguida te enamoras de quien no hace
ni caso
hablan del tiempo y sueñas con en una chica
egipcia
apagan lentamente las luces de la sala y ya
buscas la mano de tu amigo.
A veces
esperando en un bar a que ella vuelva escribes un poema en una servilleta de
papel muy fino
hablan en catalán y quisieras de gozo o lo
que sea morder a tu vecina
subes una escalera y piensas que sería bonito
que el chico que te gusta te violara
antes del cuarto piso
repican las campanas y amas al campanero
o al cura o a Dios si es que existiera
miras a quien te mira y quisieras tener todo
el poder preciso para mandar que en
ese mismo instante se detuvieran todos los relojes del mundo.

A veces
sólo a veces gran amor.

ÀS VEZES

Às vezes
alguém te sorri timidamente num supermercado
alguém te dá um lenço
alguém te pergunta com paixão que dia é
hoje na sala de espera do dentista
alguém olha para o seu amante ou seu homem com
inveja
Alguém ouve teu nome e se põe a chorar.

Às vezes
encontras nas páginas de um livro uma
foto antiga de uma pessoa que amas
e isso te dá um tremendo arrepio
voas sobre o Atlântico a mais de mil quilômetros por hora e pensas no seus
olhos e no cabelo dela
está em uma cela mal iluminada e te lembras de um dia luminoso
tocas um pé e ficas brava como uma debutante
lhes dá um chapéu e começa a gritar.

Às vezes
uma garota canta, ficas triste e a queres
um agrônomo te deixa louco
uma sirene te faz pensar em um bombeiro ou
em um equilibrista
uma boneca russa te incentiva a levantar
a saia da tua prima
uma velha calça te faz desejar com fúria
e docemente o teu marido.

Às vezes
Explicam pelo rádioa uma história ridícula
e te lembrad de um homem chamado
Leopoldo
disparam contra ti sem acertar e foge de tua esposa e tua filha
que ordenam que faça isso ou aquilo e imediatamente te apaixonas por quem não
faz nem caso
falam sobre o tempo e sonhas com uma garota
egípcia
lentamente desligam as luzes da sala e
procuras a mão do teu amigo.
Às vezes
esperando em um bar ela voltar escreves um poema em um guardanapo
de papel muito fino
falam em catalão e gostaria de brincadeira ou o que
seja morder tua vizinha
sobes uma escada e pensas que seria bonito
que o garoto que você gosta te violasse
antes do quarto andar
tocam os sinos e amas a campainha
ou o sacerdote de Deus, se houvesse um
olhas a quem te olha e querias ter tudo
o poder preciso para mandar que neste
mesmo instante se detivessem todos os relógios do mundo.

Às vezes
só às vezes, meu grande amor.

Ilustração: Deus me livro.

No comments: