Thursday, April 07, 2011

Tudo tem seu tempo certo....


Velhas lembranças

O teu amor
Que é quase como se fosse um estepe
É a única coisa que me faz serelepe
Que me faz sorrir e cantar
Ainda que isto seja estragar outros ouvidos
E esgotar os sentidos em tentativas de amar
mais do que posso.
Todo o entorno, porém, pouco importa
Se há ideias, momentos, detalhes tão nossos
Que me sinto tão feliz como te sentes
Por trás de véus, de cortinas e de portas
E guardamos estes segredos ternamente
Como um arco-iris que a chuva levou ...

Há um tempo em que haveremos de esquecer
Tanta coisa que nos tornou tão felizes.
E nos dias em que houver uma chuvinha
Em que os pingos cantarem no telhado,
Ainda haverá em ti um resto de memória
Que há de te dar um vago sentimento de euforia
E dirás mesmo sem pensar de onde viria
Que tudo passou, mas, foi uma glória...
Sentirás que fostes amada-tua maior vitória-
E rirás e dançarás feito uma louca
E gemerás como se beijada na boca!

2 comments:

Raíz said...

Belo e inesperado poema!

Temos realmente que pensar nas coisas noas que já passaram. Momentos que não voltam, mas marcaram enquanto presente no tempo.

Beijos, poeta!

Mirze

Lia Noronha &Silvio Spersivo said...

Silvio: o tempo é certo..mas nós nao temos paciência de esperar por ele...e tentanos fazer nosso próprio tempo...e aí...